Brincadeiras de Carnaval

No âmbito da Conferência do Açoriano Oriental e da Rádio Açores/TSF, Manuel Heitor foi o orador convidado para discutir as Oportunidades e desafios para o Atlântico, nomeadamente a experiência do Air Center, do programa AISLP e da Estratégia Portugal Espaço 2030. Calhou em sexta-feira de Carnaval, e de facto melhor encaixe seria impossível, uma vez que intervenção do Manuel Heitor foi encarada, justamente, como uma brincadeira de Carnaval, como é visível no vídeo abaixo, pelos sorrisos e/ou desinteresse dos que compareceram.

Agência Espacial Nacional avança nos Açores ainda este mês – Açoriano Oriental – 1 de Março de 2019

Tudo a derrapar

Manuel Heitor, que nunca se mostrou acompanhado dos seus pares no Governo na sua epopeia espacial, tenta desesperadamente manter a ilusão da exequibilidade do seu ambicioso programa naqueles que serão, seguramente, os seus últimos meses no MCTES (Ministério da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior). No entanto, a descrença geral é indisfarçável, em especial pelos prazos impostos já estarem a ser prorrogados.

Recorde-se que na Estratégia para o Espaço 2030, era objectivo:

Apresentar, até ao fim do ano de 2018, uma proposta institucional e financeira relativa à criação, instalação, financiamento e operacionalização da Agência Espacial Portuguesa

Ora neste momento, apesar do anúncio da sua criação no final de 2018 com sede em Santa Maria, ainda não se conhece a sua constituição, estatutos, ou local de instalação na ilha de Santa Maria. Quanto a isso, e para quem souber ler nas entrelinhas, Manuel Heitor diz também que “além da sede, haverá também instalações em Lisboa e em outros sítios do país”. Parece que, para Santa Maria, não mais haverá que uma caixa postal e, seguramente, um bonito reclamo para um corta-fitas de oportunidade.

Quanto ao AISLP, o programa de lançamento de satélites na ilha de Santa Maria, recordemos a agenda definida no final de Setembro de 2018, aquando do anúncio do concurso internacional:

Detalhe da 3ª fase do programa Atlantic International Satellite Launch Programme

Ora no âmbito da Conferência, e como noticia o Açoriano Oriental online:

O titular da pasta da Ciência declarou que o calendário do Porto Espacial dos Açores, que “se encontra na segunda fase, até maio”, de receber propostas concretas de empresas, havendo depois um processo negocial que “irá decorrer até ao verão para, até final do ano, haver um contrato claro para a construção do porto, com ideia de haver lançamentos em 2021”.

in Agência Espacial Nacional avança nos Açores ainda este mês – Açoriano Oriental – 1 de Março de 2019

A segunda fase que originalmente terminaria em Fevereiro, passa agora para Maio, e o contrato que seria assinado em Maio, passa agora para o final do ano.

Considerando que esta era uma “corrida”, a prorrogação de prazos não é bom sinal. De facto, o porto espacial na Escócia avança a passos largos e a Orbex Space cada vez mais investe nesta solução, sendo sabido por toda a indústria, que os Açores não mais eram que uma alternativa e uma forma de chantagem caso o projeto de A’Mhoine protolasse.

“O mais importante, quer venha ou não a existir uma base espacial, que requer sempre a atracção de investimentos privados avultados, é posicionar Portugal nos novos mercados emergentes para o espaço. O que queremos é mostrar que Portugal é um país atraente para o investimento privado no espaço, mesmo que não venha a existir um porto espacial”, refere Manuel Heitor.

Estudo dá “luz verde” com reservas para projecto de porto espacial nos Açores, Público, 15 de Fevereiro de 2018

O porto espacial nunca foi um fim, mas sim um meio para dinamizar e publicitar a indústria aeroespacial portuguesa. Esse objectivo foi conseguido, agora trata-se de manter a ilusão o mais possível para rentabilizar ao máximo a estratégia. Os ânimos esmorecem entre os principais entusiastas e propagandistas do projeto, que agora se agarram à Agência Espacial Nacional quais náufragos perante destroços da sua embarcação.

Ministro não se compromete com reforço de verbas à Universidade dos Açores

Excerto do Açoriano Oriental de 1 de Março de 2018

O Açoriano Oriental, apesar de conhecido pasquim de apoio ao Governo Regional, não deixa escapar o facto do ministro que tutela o MCTES, entidade que financia a Universidade dos Açores, não estar disponível para reforçar as verbas a esta alocadas. Ora por um lado, refere a potencialidade do emprego científico na Região pelos programas que apadrinha (AIR Centre e AISLP), por outro, não aumenta o financiamento da UAç que vive com dificuldades para cumprir os seus compromissos financeiros com os programas curriculares que alberga neste momento. Se se esperava dinamização e enriquecimento curricular da Universidade dos Açores com este investimento no Espaço, julgo que terão ficado esclarecidos que tal não virá a acontecer.

Foguetões, só no baile de Carnaval

Não deixa de ser curioso como os marienses usaram toda a questão do porto espacial como inspiração para as suas fantasias e decorações. Esperemos que o mais perto que estejamos de um foguetão, seja como ontem, no tradicional Baile de Carnaval do Clube Ana de Santa Maria.

Um pensamento sobre “Brincadeiras de Carnaval

  1. Pingback: Só sei que nada sei | Santa Espaço Maria

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *