Amarrar a burra

Nos passados dias 29 e 30 de Abril decorreu mais uma visita estatutária do Governo Regional. Aguardava-se com alguma expectativa esta visita, no sentido de averiguar as eventuais contrapartidas para a ilha de Santa Maria com o tão publicitado projeto do porto espacial de Malbusca. Nesse sentido, o Conselho de Ilha reuniu-se e preparou um memorando com diversas reivindicações (algumas já bem antigas, como a recuperação do Forte de São João Baptista), com particular ênfase na Saúde e Educação – áreas em que Santa Maria apresenta sérias carências.

Ainda no primeiro dia da visita estatutária, o Governo Regional reuniu-se com o Conselho de Ilha, tendo sido obtidas no final as seguintes declarações de Vasco Cordeiro:

“A primeira entidade que quer valorizar Santa Maria através do projeto do ‘space port’ [porto espacial] é o Governo Regional”, insistiu Vasco Cordeiro.

Dizer, todavia, que o projeto deve beneficiar exclusivamente a ilha açoriana, conhecida como a ilha do sol, “não pode ser”, acrescentou.

in Jornal Açores 9, Porto espacial deve beneficiar marienses, açorianos e todo o país

Vasco Cordeiro entende portanto que, à ilha de Santa Maria, a que será a única e exclusiva prejudicada pelo projeto, não compete qualquer compensação adicional pelos indiscutíveis constrangimentos que esta instalação, ao concretizar-se, causará aos seus habitantes.

As obras da ESSMA

Já em Julho de 2018, aquando da anterior visita estatutária, o Governo Regional comprometeu-se em comunicado com o seguinte:

4. Autorizar os procedimentos necessários para a elaboração do projeto de várias obras na Escola Básica e Secundária de Santa Maria, com vista à melhoria de condições desta infraestrutura escolar.

Esta intervenção contemplará a substituição de vedações, a correção de infiltrações no ginásio e balneários, a criação de uma ligação entre edifícios que permita a proteção da chuva, a remodelação da cozinha e cantina, a correção de suportes e ampliação da sala de professores.

Comunicado do Conselho do Governo Regional, 25 de Julho de 2018

O ano lectivo iniciou em Setembro e nada aconteceu, sendo os alunos e professores mais um ano sujeitos a decadentes condições para o ensino, em especial no que diz respeito ao ginásio da escola. Durante este ano, houve diversas iniciativas para chamar a atenção desta realidade, desde manifestações dos próprios alunos, a iniciativas políticas na ALRAA e na Assembleia Municipal, que o Governo Regional ignorou sem contemplações.

Relativamente a este assunto, à saída da reunião do Conselho de Ilha, Vasco Cordeiro refere:

Na reunião, tida na segunda-feira com os conselheiros de Santa Maria, foi também abordada a situação da escola local e as obras que a mesma deve merecer.
Para Vasco Cordeiro, há na região “outras escolas que necessitam de uma intervenção ainda mais urgente”, inclusive devido à presença de amianto, mas o executivo está comprometido a avançar por fases em Santa Maria, primeiro com a parte da cantina e refeitório, num investimento de 300 mil euros dos cerca de 1,8 milhões de euros necessários no total.

in Jornal Açores 9, Porto espacial deve beneficiar marienses, açorianos e todo o país

Assim foi, efectivamente. Da reunião do Conselho de Governo no dia 28 de Governo, relativamente a esta matéria, a deliberação foi a seguinte:

4. Lançar o concurso público para a empreitada de recuperação e reequipamento da Escola Básica e Secundária de Santa Maria, com o valor base de cerca de 300 mil euros, com o objetivo de melhorar as condições de funcionalidade da cozinha e copa, garantindo, assim, melhores condições na confeção e fornecimento de refeições, bem como na segurança e qualidade alimentar.

Ao nível das infraestruturas, serão substituídas as redes de esgotos, de águas, de gás e a rede elétrica.

Serão ainda implementadas as medidas de segurança contra incêndio.

Este investimento na zona da cozinha é a primeira fase de um conjunto de investimentos a realizar nesta escola de forma faseada, no valor de cerca de dois milhões de euros, que inclui a substituição da cobertura do ginásio e intervenção nos balneários, a construção de um passadiço coberto de ligação entre os blocos, a demolição da cobertura do Bloco C e a sua impermeabilização, com remodelação da sala dos professores, bem como intervenções em várias patologias detetadas no edifício escolar e nas vedações e portões exteriores.

Tendo em conta as condições atuais do ginásio, a Secretaria Regional da Educação e Cultura, em articulação com a Câmara Municipal de Vila do Porto, decidiu que os alunos passarão a utilizar as instalações do Complexo Desportivo de Vila do Porto para as aulas de Educação Física, garantindo todos os procedimentos de acompanhamento e segurança na deslocação dos alunos para aquele espaço; 

Comunicado do Conselho do Governo Regional, 30 de Abril de 2019

Ficamos, mais uma vez, na senda das promessas. A diferença é que, desta vez, há mais olhos postos na questão pois a fantasia da “alavancagem” que o projeto espacial prometia, foi impiedosamente trucidada por Vasco Cordeiro na reunião com o Conselho de Ilha.

Amarrem a burra

O Governo Regional demonstrou cabalmente que os “benefícios” do porto espacial são “também” para a Região. Já se sabe, são precisos muitos milhões para manter a SATA, a SINAGA, as Ilhas de Valor e os seus campos de golf, a ATA e, certamente, outros casos ainda desconhecidos de má gestão dos dinheiros públicos açorianos que alimentam uma mui profícua família socialista.

A tributação sobre a atividade espacial entrará nos cofres do Governo Regional e será depois distribuída no regime de migalhas a que os marienses estão, infelizmente, habituados.

Se esperanças havia quanto ao que este projeto do porto espacial podia trazer, não há já margem para ilusões – o Governo Regional vai decidir sem consulta ou envolvimento dos locais sobre um investimento que não constava do seu programa eleitoral e não se compromete com quaisquer “benefícios especiais” (nem mesmo tratando-se de questões essenciais já há muito reivindicadas).


Bárbara Chaves, secretária coordenadora do PS de Santa Maria, realça que “esta visita permitiu demonstrar a capacidade do governo em resolver questões que preocupam os marienses, nos mais diversos níveis, nomeadamente em termos sociais e económicos”.

in Tribuna da Ilhas, “Visita do Governo foi muito positiva para Santa Maria”, afirma Bárbara Chaves”

A leitura do PS mariense da visita estatutária do Governo Regional é que tudo correu às mil maravilhas. Inédito seria que o PS de Santa Maria representasse os interesses da ilha perante o Governo Regional, ao invés de um PS Santa Maria que advoga fervorosamente os interesses do Governo Regional na ilha mariense fazendo vista grossa perante as reais necessidades dos seus conterrâneos. Nem nesta questão preponderante das deploráveis condições da EBBSMA, ousaram quebrar a lealdade à famiglia socialista e assumir o compromisso firmado na sua eleição para com os marienses. Não há dúvidas relativamente às prioridades dos nossos representantes:

Primeiro o PS, depois Santa Maria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *