Space Rider em Santa Maria

Como era expectável, no seguimento do evento Space19+ em Sevilha já devidamente escrutinado na anterior publicação, sucederam-se outras notícias que valem a pena divulgar e analisar. Veremos assim o programa Falar Global, da CMTV, que cobriu o evento em Sevilha e também a simulação da aterragem do veículo Space Rider na ilha de Santa Maria, produzido pela ESA e divulgado num site alemão. Veremos também o OE2020 e o comunicado divulgado pelo GaCS no âmbito de uma reunião entre Manuel Heitor, e o seu congénere regional açoriano, Gui Menezes.

Space Rider: o avião-foguetão

Uma das conclusões do Space19+ foi o reforço do investimento no veículo Space Rider, uma espécie de space shuttle, conceito introduzido pela NASA, que “descola” com um foguetão mas consegue aterrar como um avião e, desta forma, ser reutilizável.

No site alemão Welt, foi publicado no mês passado um extenso artigo em que, entre outras coisas, se descreve as vantagens deste veículo para a observação da Terra, telecomunicações ou experiências com gravidade zero, com grande utilidade para a indústria farmacêutica. E o que é que isto interessa para Santa Maria? Já em Fevereiro do ano passado, o Público tinha noticiado a escolha do arquipélago açoriano para a fase crítica da aterragem e apontado a ilha de Santa Maria como o local preferido.

As actividades a desenvolver no local de aterragem que vier a ser escolhido nos Açores “irão envolver a telemetria e telecomando do veículo, a gravação e arquivo de dados, tratamento e distribuição de dados pós-voo, gestão e controlo de emergência, controlo na reentrada da atmosfera e aterragem do veículo”

“Veículo Space Rider deverá aterrar nos Açores”, Público, 21 de Fevereiro de 2018

Tudo aparenta que Santa Maria é mesmo o local escolhido (para gáudio da Edisoft a quem serão certamente adjudicados os serviços acima mencionados) havendo já um vídeo que simula a sua aterragem no seu aeroporto, como podemos ver abaixo:

A Welt avança ainda as vantagens da ilha de Santa Maria neste contexto:

Aguardemos por informação do Governo da República ou, quiçá do Governo Regional, sobre os planos em curso para a ilha mariense onde os que a habitam são, invariavelmente, os últimos a saber.

Falar Global – a cobertura da CMTV

No dia 16 de Dezembro, foi emitido na CMTV, esse vulto de credibilidade da comunicação social nacional, o programa Falar Global (programa completo aqui) que fez a cobertura do Space19+ e entrevistou a comitiva portuguesa no local. Adicionalmente, foi também entrevistado Manuel Heitor que sintetizou as conclusões decorrentes do Space19+ e, claro, falou no contributo português para os projectos da ESA.

Aos 3’45” fala o novo homem forte da Portugal Space, Ricardo Conde: “estamos aqui a tentar ter as políticas públicas, através da agência, participar em vários programas internacionais para alavancar tudo o que nós temos em Portugal”. A alavancagem da Edisoft parece estar efectivamente assegurada.

A entrevista de Manuel Heitor inicia-se aos 6’20” e, durante os 5 minutos subsequentes, apenas se mencionou Santa Maria e o seu “porto espacial de reduzidas dimensões” aos 8’55”:

Sr. Ministro, aquilo que está a acontecer e vai ser desenvolvido na ilha de Santa Maria, no fundo o projecto spaceport é uma iniciativa que é exactamente um exemplo do que nos acaba de dizer…

É UMA das componentes, por um lado, desenvolver um pequeno porto espacial para novos foguetões, de muita pequena capacidade (abaixo de 500kg) com baixo impacto ambiental e, por outro lado, facilitar as infraestruturas aeroportuárias sobretudo nos Açores para o futuro vaivém europeu, chamado Space Rider.

Já se tinha denotado um discurso algo evasivo de Manuel Heitor relativamente ao spaceport em outras declarações públicas, este é apenas mais um exemplo. No que a Santa Maria diz respeito, o foco parece agora estar claramente no Space Rider, tentando desvalorizar-se o projecto do spaceport por forma a que, progressivamente, caia em esquecimento.

A reunião de Gui Menezes e Heitor

A 18 de Dezembro, Gui Menezes, Manuel Heitor e Helena Pereira (Presidente da FCT) reuniram-se em Lisboa, tendo o primeiro vertido as suas conclusões para um comunicado emitido pelo GaCS (Gabinete de Apoio à Comunicação Social).

Ficámos a saber então que “serão consolidados vários projectos científicos e tecnológicos nos Açores, que contam com a parceria do Governo da República”. De uma forma geral, foram abordados os projectos em curso e os parcos recursos humanos sediados nos Açores. Quanto a isso, e em especial ao AIR Centre avançado como um trunfo na implementação do PREIT, Gui Menezes diz que “espera o envolvimento e a participação dos investigadores regionais”. Pois, possivelmente também os investigadores regionais (e toda a comunidade terceirense) esperam oportunidades face às expectativas criadas pelo Governo Regional já desde a campanha para as regionais em 2016.

O Presidente do PS/Açores defendeu este sábado que o projeto do Azores Air Center, que assentará na investigação e no conhecimento, e que se afigura como um grande projeto científico internacional no domínio, entre outros, da oceanografia, da climatologia, será um importante contributo para gerar um novo setor de criação de riqueza e de geração de emprego na Terceira.

Azores Air Center poderá gerar riqueza e emprego na Terceira, 2016-09-25, página do PS

Passados mais de 3 anos, (não) estão à vista os resultados. Mas sobre isso e outras coisas, certamente os terceirenses terão oportunidade de se manifestar nas próximas eleições regionais a ter lugar em Setembro/Outubro de 2020.

Continuando a analisar o comunicado do GaCS, ficámos a saber da cedência de infraestruturas à Portugal Space, como sendo a antena de 15 metros de Santa Maria, a sua base e torre de comando, sendo esta (a Portugal Space) a entidade que a vai explorar. O âmbito da agência espacial portuguesa é cada vez mais difuso, albergando na sua administração interesses privados e, agora, assimilando infraestruturas custeadas pelo Governo Regional. Recordemos o anúncio em 2016 da aquisição da antena em causa desativada na Austrália, para a qual a ESA encontrou utilidade para o programa PROBA3 (estudo do Sol):

Operação/exploração da antena concessionada pela ESA à EDISOFT para plena utilização no âmbito de rastreio de lançadores e acompanhamento de várias missões espaciais, das quais se destaca o programa PROBA3 (estudo do Sol).(…)

O apoio do Governo Regional dos Açores a este projeto consistiu na cedência dos terrenos onde a estação será instalada, bem como a construção da infraestrutura que serve de base à antena.

Estação de Rastreio de Lançadores de Satélites e de apoio à Missão PROBA 3 da Agência Espacial Europeia (ESA), 29-08-2016

Cada vez é mais confuso onde termina a Portugal Space e começa a Edisoft.

Sobre o “processo do Azores ISLP – Programa do Procedimento de Diálogo Concorrencial para a Construção, Operação e Exploração de um Porto Espacial em Santa Maria”, nada de novo, novamente a informação sobre os 3 consórcios selecionados e o próximo passo que consistirá na escolha do consórcio vencedor.

Do comunicado consta ainda a seguinte informação:

A Estratégia Espaço 2030 esteve também em cima da mesa durante o encontro de hoje, no contexto da última reunião do conselho ministerial da ESA, que decorreu em Sevilha, no final de novembro, na medida em que “estão a ser desenvolvidos vários projetos que poderão interessar aos Açores e a Portugal

Ora o que transparece deste parágrafo é justamente a tomada de conhecimento, através desta reunião, das conclusões retiradas do Space19+, conselho ministerial da ESA. Considerando os vários projetos sobre o Espaço em que os Açores estão envolvidos, é bem patente que não há qualquer “estreita colaboração” entre Governo Regional e República, há uma relação de neo-colonialismo evidente em que a República se limita a “dar conhecimento”, a seu tempo, dos seus planos para os Açores.

A Portugal Space identifica-se como uma agência que, primeiramente, deverá ser considerada um instrumento do Governo português, em estreita articulação com o Governo Regional dos Açores, para implementar a estratégia nacional ‘Portugal Espaço 2030’”. A “estreita articulação” começou bem com a atribuição do lugar de vice-presidente a Luís Santos, mas nunca o ouvimos falar em representação da Portugal Space. Infelizmente para os interesses açorianos, o seu papel parece cada vez mais resumir-se a ser uma mera figura de corpo presente.

Ainda sobre o comunicado em causa, em conformidade do que estava expresso na Anteproposta do Plano Regional, anunciou-se que “o projeto para a instalação da sede (da agência Portugal Space) na antiga casa do diretor do aeroporto de Santa Maria está quase concluído, prevendo-se que as obras arranquem no segundo trimestre de 2020”. Cá estaremos para ir acompanhando, por enquanto continuamos assim:

  • O nº1 do Bairro da Bela Vista em Santa Maria, onde ficará sedeada a Portugal Space
  • O nº1 do Bairro da Bela Vista em Santa Maria, onde ficará sedeada a Portugal Space
  • O nº1 do Bairro da Bela Vista em Santa Maria, onde ficará sedeada a Portugal Space

Orçamento de Estado 2020

Na semana passada foi também anunciado o orçamento de estado para o ano 2020. Nas duas galerias abaixo, estão devidamente assinaladas as passagens relativas ao programa Azores ISLP no orçamento de estado para 2020 (acima) e de 2019 (abaixo).

É bastante óbvio que não existem grandes diferenças de um ano para o outro no que a este programa (Azores ISLP) diz respeito, por isso o OE2020 não constitui qualquer novidade ou prova de exequibilidade para o projecto do spaceport. Estamos em época natalícia, por isso a versão adulta de acreditar no Pai Natal será mesmo agarrar-se a toda e qualquer pedaço de informação que indique que o spaceport de Malbusca vai avante.

Se não for, existirá sempre a Lego City!

Feliz Natal!

4 pensamentos sobre “Space Rider em Santa Maria

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *