POTRAA 2018 discussão pública

A cegueira selectiva do novo POTRAA

Ficámos a saber há alguns dias que a Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo está neste momento a promover uma ampla discussão em torno da sua proposta de revisão do Programa de Ordenamento Turístico da Região autónoma dos Açores (POTRAA). A louvável iniciativa, que decorre entre 22 de Janeiro e 22 de Março, inclui uma sessão pública em Santa Maria, no dia 21 de Fevereiro, pelas 21 horas, no auditório da Biblioteca Municipal de Vila do Porto. Adivinha-se casa cheia, porque o tema interessa a todos quantos, ao longo destes anos, vêm apostando no turismo como alavanca fundamental da economia mariense.

Continue a ler “A cegueira selectiva do novo POTRAA”

Turismo certificado pela Natureza ou pela Agência Espacial Portuguesa?

Carlos Rodrigues, Presidente da Câmara de Vila do Porto revelou recentemente que, no decorrer deste ano, o município se propõe promover um Encontro-reflexão sobre o turismo na ilha de Santa Maria. O louvável e muito oportuno evento tem como finalidade principal “reunir sinergias entre entidades e agentes locais e regionais na reflexão sobre o estado do Turismo na ilha, bem como os desafios futuros da área”.

Não deixa de ser por isso curiosa esta intervenção perante a RTP Açores do nosso estimado Presidente ao revelar total receptividade da autarquia aos projetos espaciais, inclusivé, ao infame porto espacial de Malbusca. Ao mesmo tempo que se propõe uma reflexão sobre o Turismo em Santa Maria, diz-se perante as câmeras que “temos que pensar no futuro, é preciso que venham coisas novas, o que nós temos é muito pouco”. Ora é bem sabido que a autarquia desconhece totalmente o potencial turístico da ilha, basta ver que, ano após ano, aloca os fundos para promoção turística da ilha para divulgação dos festivais Maré de Agosto e Santa Maria Blues. Excelentes iniciativas que devem ser acarinhadas pela autarquia, mas que pouco contribuem para publicitar as nossas mais-valias a nível turístico.

Continue a ler “Turismo certificado pela Natureza ou pela Agência Espacial Portuguesa?”